Seriados Inesquecíveis: Famílias

Seriados Inesquecíveis: Famílias

Neste post da série Seriados Inesquecíveis, vou deixar minha homenagem a um tema que, embora não seja um “arrasa quarteirões”, sempre tem um público fiel: as famílias. Claro, todo seriado tem suas famílias. Mas, existem alguns em que as relações familiares são o centro das atenções.

Diferente do que acontece com os grandes sucessos, seriados assim não se apoiam em efeitos especiais incríveis, violência ou alta tecnologia. Ao invés disso, eles contam apenas com suas histórias e seus atores para emocionar e cativar o público. Por isso mesmo, alguns desses seriados marcaram diversos momentos de minha vida.

Seriados Inesquecíveis – Os Pioneiros (Little House on the Prairie)

Este foi, provavelmente, o primeiro seriado que assisti em toda a minha vida, acompanhando minha família. “Os Pioneiros”, como o seriado foi chamado no Brasil, foi produzido entre 1974 e 1983, e contava a história da família Ingalls e seus desafios no interior dos EUA no final do século XIX. A família era composta por Charles (interpretado por Michael Landon, que dirigiu a maior parte dos episódios), sua esposa Caroline (Karen Grassle) e suas filhas Mary (Melissa Sue Anderson), Laura (Melissa Gilbert, que narrava grande parte dos episódios) e a pequenina Carrie (interpretada pelas gêmeas Lindsay e Sidney Greenbush). Há cenas das quais me lembro até hoje: em um dos episódios, Isaiah, grande amigo da família, é atacado e luta contra um urso. Em outro, Caroline está lendo a Bíblia e está quase decidida a cortar uma de suas mãos, porque ela havia pecado de alguma forma. Nessa época, os seriados tinham uma inocência tão grande que chega a dar saudades!

Abertura:

Seriados Inesquecíveis – Anos Incríveis (Wonder Years)

“Anos Incríveis”, produzido entre 1988 e 1993, foi outro seriado muito marcante para mim. Desde a sua abertura, com a marcante “With a Little Help from my Friends”, na voz de Joe Cocker, o seriado é realmente inesquecível. O personagem principal é Kevin Arnold, interpretado por Fred Savage, cuja adolescência acompanhamos durante o final dos anos 60 e e início dos 70. Kevin era filho de Jack (Dan Lauria) e Norma (Alley Mills), irmão de Wayne (Jason Hervey) e Karen (Olivia d’Abo). Sua grande paixão de adolescência era Winnie Cooper (Danica McKellar) que, entres idas e vindas, acompanha Kevin até o último episódio do seriado. Paul Pfeiffer (Josh Saviano) era o seu melhor amigo. Os episódios eram sempre narrados pelo próprio Kevin, já com voz adulta, e mostravam com extrema ternura e emoção, fatos grandes ou pequenos que marcaram sua vida. O humor refinado também era marca registrada: impossível esquecer da aula de francês de Kevin, em que ele só consegue repetir “quer um pouco de manteiga”, enquanto olha extasiado para uma garota. A música do seriado é das mais marcantes: hits daquela época eram alternados com belíssimas composições instrumentais, como o tema da Winnie. O episódio final é emocionante demais, quando Kevin narra como seu pai morreu, seu irmão assumiu os negócios da família, Winnie foi para a Europa e ele se casou e teve filhos. Este realmente merece o título de “seriado inesquecível”.

Abertura:

Seriados Inesquecíveis – Confissões de Adolescente

Este é o primeiro seriado brasileiro que cito nos “Seriados Inesquecíveis”. “Confissões de Adolescente” é um simpático seriado nacional exibido pela TV Cultura entre 1994 e 1996. A história era focada na família formada por Paulo (interpretado pelo veterano Luiz Gustavo) e suas quatro filhas adolescentes: Diana (Maria Mariana), Natália (Danielle Valente), Bárbara (Georgiana Góes) e Carol (Deborah Secco). A propósito, essa foi a estréia na TV de Deborah, que foi considerada a grande revelação do seriado. Apesar do baixo orçamento, os roteiros eram bem escritos e as meninas davam conta do recado. As histórias tratavam de problemas comuns de adolescentes, como gravidez, drogas, relacionamentos e tantos outros. O seriado chegou a ser indicado para um Emmy como melhor seriado internacional. Um ponto bacana eram as chamadas “participações afetivas”, em que conhecidos atores e atrizes, como Débora Bloch, Cláudia Gimenez e Maitê Proença, participavam de episódios sem receber nada por isso.

Abertura:

Seriados Inesquecíveis – Tal Mãe, Tal Filha (Gilmore Girls)

“Gilmore Girls” é o seriado que trata da família menos numerosa desta lista. O seriado foi produzido de 2000 a 2006. Nele, acompanhamos a história de Lorelai (Lauren Graham) e sua filha Rory (Alexis Bledel). Lorelai tem pais ricos, mas decide fugir de casa para criar sua filha sozinha. O seriado tem um humor leve e atuações cativantes. Lorelay e Rory parecem mais amigas do que mãe e filha. As referências a filmes, programas de TV, livros e celebridades eram freqüentes no seriado. Algumas eram tão obscuras que foi até lançado um encarte nos DVDs do seriado explicando-as. Outro ponto interessante eram as músicas: cada personagem tinha seu gosto musical explorado ao longo das histórias. Lorelai, por exemplo, era grande fã de músicas dos anos 80. A propósito, diversos cantores famosos fizeram participações especiais no seriado, como Paul Anka, Carole King e o grupo The Bangles.

Abertura:

Seriados Inesquecíveis – Eu, a Patroa e as Crianças (My Wife and Kids)

“My Wife and Kids” é uma das raras “sitcoms” (situation comedies) americanas com que consigo me divertir. O seriado foi produzido de 2001 a 2005 e conta o dia a dia da família Kyle. Michael (interpretado por Damon Wayans, um dos criadores do seriado) é casado com Jay (Tisha Campbell Martin), e pai de Michael Jr. (George O. Gore II), Claire (Jazz Raycole e Jennifer Nicole Freeman) e da pequena Kady (Parker Mckenna Posey). O humor sempre está presente no seriado, e há momentos hilários entre Kyle e Jr. Mesmo assim, os valores familiares são sempre enaltecidos. Kady, a caçula da família, é uma gracinha e sempre arranca sorrisos de todos. Outra presença marcante no seriado é o mini-gênio Franklin, interpretado por Noah Gray-Cabey (que mais tarde participaria de diversos seriados, inclusive de “Heroes”, onde fez Micah). Houve episódios memoráveis, como o que Jr. tenta vender seu desenho animado sobre a família Kyle, ou quando a família parte toda de férias para o Havaí. Infelizmente, o seriado foi cancelado em 2005, sem um episódio final, devido à queda na audiência. Como o seriado não possui uma abertura, deixo o vídeo de outro ótimo momento, quando Franklin “tranforma-se” em um monstro.

Vídeo:

Assim, encerro mais uma lista de Seriados Inesquecíveis. Como sempre digo, trata-se de uma lista bastante pessoal, baseada nos seriados que eu próprio assistia.

E você, quais são os seriados com histórias familiares que você nunca esquece? Deixe seu comentário!

Miguel Leite Collado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *