Museu do Videogame Itinerante: uma volta ao passado dos games

Museu do Videogame Itinerante: uma volta ao passado dos games

É fato que a grande maioria das pessoas, hoje em dia, já teve contato com, ao menos, algum videogame. Com o tempo, os primeiros consoles foram ficando cada vez mais raros. Hoje, então, é difícil ter acesso a antiguidades como o Magnavox Odyssey, o Atari Pong, o Nintendo Virtual Boy, etc. Porém, uma breve ida a uma exposição do Museu do Videogame Itinerante permite esse contato com o passado.

 

O Museu do Videogame Itinerante

O museu foi criado pelo jornalista Cleidson Lima. Hoje, já é, inclusive, reconhecido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Ao contrário dos outros estabelecimentos do gênero, o museu não tem uma sede fixa, realizando exposições em diversas cidades ao longo do ano.

O acervo conta com mais de 300 consoles e 6.000 jogos diferentes, produzidos ao longo dos últimos 47 anos. Além disso, as exposições são patrocinadas por empresas famosas e importantes do ramo, como a Ubisoft, a Nintendo e a PlayStation. Em 2014, aliás, o museu foi considerado, pelo Ministério da Cultura, o mais criativo do gênero.

“Temos grandes colecionadores no país que fazem parte de grupos que lutam para preservar a história, como o Canal 3, e o Museu do Videogame Itinerante chega apenas como mais um para auxiliar nessa tarefa. Não temos intenção de ser o maior ou melhor, mas sim mostrar ao público que os jogos eletrônicos precisam ser reconhecidos também como história, cultura e arte. Para as novas gerações de consoles existirem, como PlayStation 4, Xbox One, Wii U, entre outros, houve mais de quatro décadas de evolução”, explica o criador, Cleidson Lima.

 

A experiência

Ao chegar ao Museu do Videogame Itinerante, o visitante tem acesso à história dos maiores clássicos dos videogames. Também é possível jogar alguns exemplares, o que dá uma ótima sensação de nostalgia para os que tiveram a infância marcada pelos games. Assim, o público pode se divertir com aparelhos como o Telejogo Philco-Ford, o Atari 2600, o Master System, o Mega Drive, o Super Nintendo, o Game Cube, entre outros.

Não só isso, são expostos, também, consoles desconhecidos até por alguns colecionadores, como o Coleco Telstar Arcade, de 1977, e o Action Max, de 1987. Outro exemplo é o Bandai Pip Pin Atmark, de 1995, o único produzido pela Apple. Todos os itens do acervo podem ser encontrados com nome, data de lançamento, detalhes técnicos e, às vezes, até comerciais das respectivas épocas.

 

Onde encontrar?

No dia 13 de abril, o Museu do Videogame Itinerante encontra-se em Porto Velho, no Porto Velho Shopping. Mais ou menos a cada mês, contudo, a exposição troca de cidade, viajando por todo o país. A agenda pode ser encontrada clicando aqui. O ponto positivo é que toda essa experiência é gratuita.

 

Para ter mais informações, você pode acessar o site do museu clicando aqui.

Lucas Moré Pereira

- Mais do que filmes, séries e jogos, gosta de entender a tecnologia por trás das obras - Se o mundo ficasse off-line, faria de tudo para criar sua própria internet - Passa o dia intercalando seu tempo entre o violão e o computador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *